Texto de Silvia Helena

Assolado pelo número de turistas, o Museu do Louvre resolveu, sem aviso prévio, fechar suas inúmeras bilheterias e priorizar passageiros com bilhetes comprados antecipadamente.

De fato, alguns dias atrás eu passei pela Praça do Carrossel e notei que não havia a fila habitual na frente da pirâmide de vidro. Achei estranho, mas pensei que se preparavam para um evento privado excepcional.

Concomitantemente, tenho ouvido muitas reclamações sobre o difícil acesso a certas salas, especialmente a sala onde se encontra a Gioconda, obra de Leonardo da Vinci, recentemente relocada devido a reformas do museu.

O museu que recebe entre 30 e 50 mil passageiros por dia tomou a medida de fechar suas bilheterias ao público com intensão facilitar a visita daqueles que já tem seu bilhete comprado durante este momento de grande fluxo e férias escolares europeias.

O estabelecimento afirma que esta não é a primeira vez que isso acontece, porém no passado a noticia não chegava a se espalhar. 
A administração assegura também que as obras em andamento e a compra antecipada deverão colaborar para a normalização da situação.

Além disso, o Museu estuda a criação de uma entrada que dê acesso somente a Gioconda, para aqueles que visitam o museu exclusivamente para admirar a renomada obra.

O site do Louvre não adverte quanto ao fechamento das bilheterias ou data de retorno à normalidade, mas aconselha a compra de entradas antecipada.